AECBP

Novas alterações ao Código do Trabalho


Entram hoje em vigor as novas alterações ao Código do Trabalho introduzidas pela Lei 93/2019 de 4 de Setembro. No entanto, nem todas as regras terão efeitos imediatos e há mudanças que dependem de decisão do Tribunal Constitucional.

Principais alterações:

1.  Duração de contratos a prazo

A duração máxima dos contratos a termo certo passa de três para dois anos e a dos contratos a termo incerto passa de seis para quatro anos.

2. Trabalho temporário e intermitente

Os contratos de trabalho temporário celebrados a partir de hoje passam a ter um limite de seis renovações, excepto quando esteja em causa a substituição de um trabalhador ausente por facto não imputável ao empregador.

3. Razões para contratar a prazo

A contratação de um jovem à procura de primeiro emprego ou um desempregado de longa duração deixa de ser motivo para celebrar um contrato a prazo, apesar de se manter como justificação para a contratação de desempregados de muito longa duração (há mais de dois anos).

4. Novo período experimental

O Governo alarga o período experimental dos contratos sem termo de jovens à procura de primeiro emprego e desempregados de longa duração, que passa a ser de 180 dias (em vez de 90 dias).

5. Fim do banco de horas individual

O banco de horas deixa de, a partir de hoje, poder ser instituído por mero acordo individual entre a empresa e o trabalhador.

6. Novo banco de horas grupal

É criado um novo banco de horas grupal, a aprovar por referendo e a instituir se 65% dos trabalhadores de uma equipa, secção ou unidade económica estiverem de acordo, ainda que os restantes discordem.

7. Contratos de muito curta duração

Os contratos de muito curta duração passam a poder ter a duração de 35 dias (em vez dos atuais 15) apesar de se manter o limite anual de 70 dias com o mesmo empregador.

8. Taxa de rotatividade

Está prevista a criação de uma nova taxa sobre a rotatividade destinada às empresas que mais recorram à contratação a termo resolutivo face à média do seu setor.

9. Contratação coletiva

As convenções coletivas deixam de poder estabelecer quantias de pagamento de trabalho suplementar inferiores à que está definida por lei.

10. Reforço de direitos

A lei laboral passa a prever expressamente que os trabalhadores com doença oncológica gozam dos mesmos direitos e deveres dos outros trabalhadores, ficando dispensados da prestação de trabalho em determinadas modalidades de horários, devendo o empregador adotar medidas adequadas para que as pessoas possam progredir ou ter formação.

 

Fontes: Jornal Público e Jornal de Negócios

Download WordPress Themes
Premium WordPress Themes Download
Download Best WordPress Themes Free Download
Free Download WordPress Themes
udemy paid course free download
download lava firmware
Free Download WordPress Themes
udemy free download